sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

O horizonte de imaginação

Se alguém chegasse para um cidadão inglês, súdito do Império Britânico, em 1900, e dissesse: "olha, daqui a 50 anos não vai mais existir Império Britânico, vão acontecer duas guerras mundiais que vão matar quase 100 milhões de pessoas, Londres vai ser bombardeada de cima por máquinas que voam, o mapa todo da Europa vai mudar, vai existir uma bomba capaz de destruir uma cidade inteira de uma vez só, e os EUA e a Rússia vão ser as duas superpotências mundiais, enquanto que o Império Britânico vai ser reduzido à ilha da Inglaterra", o cidadão inglês ia dar risada e chamar o sujeito de louco, ou como é moda hoje em dia, de "teórico da conspiração".

Mas o fato é que tudo isso aconteceu, por mais louco e conspiratório que pudesse parecer a um cidadão inglês de 1900. Isso acontece porque o horizonte de imaginação do cidadão comum é limitado, qualquer informação que não se enquadre no esquema mental dele é vista como absurda e eliminada de imediato sem a mínima reflexão.

Então, quando alguém lhes disser algo que parece loucura, mas está embasado em fatos e argumentos válidos, os quais você não consegue invalidar e refutar, aceite humildemente que o louco é você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O poder da escolha

  A liberdade, o poder da escolha...motivo da glória e desgraça da condição humana.