terça-feira, 5 de março de 2019

A clarificação dos conceitos como chave para a boa comunicação


Entre entender algo, e fazer outro alguém entender algo, há um processo que compreende três etapas. Primeiro, inteligimos um determinado objeto ou situação. Depois, articulamos essa experiência com os conceitos dos quais dispomos ou criamos novos; isto é, contamos para nós mesmos aquilo que inteligimos. Por fim, tentamos transmitir ao nosso interlocutor essa articulação.

Supondo que nossa articulação interna tenha sido bem feita (o que por si só já dá um trabalhão) essa comunicação será bem ou mal sucedida na medida em que o nosso interlocutor partilhar dos mesmos conceitos ou conseguirmos fazê-lo compreender os novos conceitos que criamos ou estamos tentando transmitir. 


A chave para a boa comunicação entre as pessoas, e em âmbito geral, na sociedade, portanto, são os conceitos em comum, e é justamente a falta deles que gera tantas discórdias e discussões infrutíferas. Não nos entendemos simplesmente porque não partilhamos dos mesmos conceitos.


Com a desintegração da língua e da alta cultura nos últimos 50 anos, perdemos essa tela de fundo que permite o câmbio racional de ideias, e nos tornamos um bando de loucos falando sozinhos na maior parte do tempo. “Esquerda”, “direita”, “racismo”, “fascismo” etc, por exemplo, assumem uma miríade de significados distintos para determinados grupos de pessoas, e muitas vezes é simplesmente IMPOSSÍVEL que esses grupos consigam conversar.


Somente quando os conceitos forem clarificados nas consciências é que poderá haver verdadeiro diálogo. Em prol da restauração cultural brasileira, e principalmente, do amor ao próximo, procuremos com caridade e paciência tentar fazer essa ponte conceitual entre nós e nosso interlocutor.

Um comentário:

Quando o cliente não gosta do seu trabalho

Já diz o ditado, “nem Jesus Cristo agradou a todos”.  Nem sempre conseguimos agradar o cliente. Na Impactamídia , em algumas ocasiões (raras...