quinta-feira, 28 de março de 2019

A confissão sacramental

Resultado de imagem para confissao
"...soprou sobre eles dizendo-lhes: ‘Recebei o Espírito Santo. Àqueles a quem perdoardes os pecados, lhes serão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, lhes serão retidos." Com esse gesto e com essas palavras, Jesus Cristo instituiu o Sacramento da Confissão e a vida dos pecadores arrependidos sobre a face da Terra nunca mais seria a mesma.

No Antigo Testamento, também havia a confissão a um sacerdote, também havia o perdão dos pecados, então qual a diferença fundamental para o Novo Testamento? No Antigo Testamento, os sacerdotes não podiam perdoar os pecados. O sacerdote executava um rito prescrito por Deus na lei mosaica, sacrificando um animal no lugar do pecador, ou do povo inteiro, uma vez por ano. Como vemos no Levítico:

“Se for alguém do povo quem pecou involuntariamente, cometendo uma ação proibida por um mandamento do Senhor, tornando-se assim culpado, trará para sua oferta uma cabra sem defeito, pela falta cometida, logo que tiver tomado consciência de seu pecado. Porá a mão sobre a cabeça da vítima oferecida pelo pecado e a imolará no lugar onde se imolam os holocaustos. Em seguida, o sacerdote, com o dedo, tomará o sangue da vítima, e pô-lo-á sobre os cornos do altar dos holocaustos, derramando o resto ao pé do altar. Tirará toda a gordura, como se fez no sacrifício pacífico, e a queimará no altar, como agradável odor ao Senhor. É assim que o sacerdote fará a expiação por esse homem, e ele será perdoado. Se for um cordeiro que oferecer em sacrifício pelo pecado, oferecerá uma fêmea sem defeito. Porá a mão sobre a cabeça da vítima oferecida pelo pecado e a imolará em sacrifício de expiação no lugar onde se imolam os holocaustos. Em seguida, com o dedo, tomará o sacerdote o sangue da vítima oferecida pelo pecado, e o porá sobre os cornos do altar dos holocaustos, derramando o resto do sangue ao pé do altar. Tirará toda a gordura como se tirou a do cordeiro do sacrifício pacífico, e a queimará no altar, entre os sacrifícios feitos pelo fogo ao Senhor. É assim que o sacerdote fará a expiação pelo pecado cometido por esse homem, e ele será perdoado”.

Porém, no Novo Testamento, Jesus Cristo é ao mesmo tempo o sacerdote e a vítima. Por ser Deus encarnado, Ele tem o poder de perdoar os pecados, o que causou escândalo aos escribas. E repassou esse poder aos Apóstolos e seus sucessores, os bispos e presbíteros. Ou seja, diferentemente dos sacerdotes da Antiga Lei, os bispos e presbíteros – em comunhão com a Igreja e com as devidas autorizações - têm o poder de perdoar pecados em nome de Jesus. Mais do que isso: ao ministrar o sacramento, o sacerdote o faz na pessoa de Cristo, ou seja, não é ele quem está agindo, mas o próprio Cristo.

Costuma-se chamar a esse sacramento por cinco nomes: sacramento da conversão, sacramento da confissão, sacramento da penitência, sacramento do perdão e sacramento da reconciliação; e é interessante notar que cada um desses nomes corresponde a uma das fases que o penitente passa. Primeiro, a conversão. Em algum momento, após o pecado e afastamento de Deus, ocorre o arrependimento e a decisão de buscar o sacramento. A pessoa vai até o sacerdote e se confessa (sacramento da confissão); o sacerdote lhe impõe uma penitência (sacramento da penitência); em seguida, lhe diz a fórmula de absolvição, que efetivamente lhe concede o perdão dos pecados (sacramento do perdão); e partir daí, então, se dá a reconciliação do pecador com Deus (sacramento da reconciliação).

Mas talvez o verdadeiro e mais apropriado nome desse sacramento seja sacramento da misericórdia. A fórmula de absolvição em uso na Igreja latina inicia dizendo: “Deus, Pai de misericórdia”. Cada etapa citada anteriormente é fruto dessa misericórdia: Deus quer a nossa conversão, Deus quer a nossa confissão, Deus quer a nossa penitência e, por fim, Deus quer nos perdoar e nos reconciliar com Ele. Reparem que a fórmula não diz “Pai DA misericórdia”, mas sim “Pai DE misericórdia”. Claro, porque Deus é Pai, é o nosso Pai. Santa Faustina Kowalska, cujos escritos deram origem à devoção da Divina Misericórdia, disse que a justiça e a misericórdia são atributos divinos que se complementam, porém a misericórdia de Deus engloba e ultrapassa a Sua justiça. A misericórdia e bondade de Deus para com o pecador é inabarcável para a nossa inteligência limitada e o nosso coração endurecido, tão ávidos por justiça, quando não – sejamos sinceros – vingança pura e simples.

Existe um mandamento da Igreja que diz: “Receber o sacramento da Eucaristia ao menos pela Páscoa da ressurreição”. E esse mandamento está diretamente ligado com outro que diz “Confessar-se ao menos uma vez por ano”. Mas ora, aqui nós estamos falando estritamente do mínimo necessário, e o verdadeiro amor desconhece os mínimos. Os sacramentos são os canais ordinários da graça de Deus, e desta nós não queremos o mínimo, mas o máximo. Devemos, portanto, procurar aumentar a frequência com que buscamos esse sacramento, até chegar à “dose”, digamos assim, semanal.

O que confessar? Nesta ordem de importância: pecados mortais, pecados veniais, defeitos. A confissão frequente não só perdoa os pecados, como nos dá força na luta contra eles. Então é de se esperar que esta ordem se observe - aos poucos, e a muito custo, claro - no caminho rumo à santidade.


Nossa Senhora, Mãe de misericórdia, nunca pecou e, portanto, nunca precisou se confessar. Mas ninguém melhor que ela sabe interceder junto a Seu Filho pelo perdão dos pecadores. Que Ela nos ajude, agora e na nossa de nossa morte, a fazermos boas confissões, e assim recebermos a graça de Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quando o cliente não gosta do seu trabalho

Já diz o ditado, “nem Jesus Cristo agradou a todos”.  Nem sempre conseguimos agradar o cliente. Na Impactamídia , em algumas ocasiões (raras...