segunda-feira, 18 de maio de 2020

Os santos, precursores do marketing de conteúdo


Uma das premissas do marketing de conteúdo é a de que você deve produzir conteúdo de qualidade, para uma determinada audiência, com constância, frequência e por um longo período de tempo, quiçá para sempre.

O produtor deve produzir conteúdo dessa forma sem esperar grandes resultados e muito menos imediatos, porque de fato a maioria das pessoas nunca comprará nada dele; e as que comprarem, o farão depois de bastante tempo. É um jogo de longo prazo, que exige paciência e perseverança.

É possível traçar um paralelo com os grandes santos da história da Igreja Católica. Eles fizeram o bem sem esperar nada em troca. Espalharam o Evangelho sem se preocupar necessariamente em convencer ninguém daquilo que acreditavam. Sua recompensa estava em outro lugar. Ainda assim, é inegável que seus resultados no longo prazo foram notáveis e mudaram o mundo.

Santa Teresa de Calcutá não tinha como primeiro objetivo converter ninguém nas fétidas favelas da cidade da qual ganhou seu famoso nome. Ela queria apenas tratar o Cristo sofredor que via naqueles incontáveis doentes e pobres. Mas quantos, diante de tanta caridade, não passaram a amar o Cristo que viram nela?

São Francisco Xavier evangelizou a Índia e o Japão aprendendo as línguas, comendo os pratos nativos e usando as vestimentas tradicionais desses locais onde viveu, tudo para ser melhor aceito, e assim conseguir pregar a povos outrora extremamente resistentes e desconfiados.

São Josemaría Escrivá incentivou a criação de colégios, hospitais, universidades e várias outras obras corporativas para a melhoria das comunidades que as receberam, tendo inclusive como colaboradores centenas de pessoas de outras religiões.

Inúmeros outros santos têm histórias semelhantes, e temos muito a aprender com eles. Não queira empurrar uma venda goela abaixo para o seu cliente, sem antes ganhar a sua confiança. E confiança só se ganha com diálogo, abertura ao outro, interesse genuíno em querer ajudar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quando o cliente não gosta do seu trabalho

Já diz o ditado, “nem Jesus Cristo agradou a todos”.  Nem sempre conseguimos agradar o cliente. Na Impactamídia , em algumas ocasiões (raras...