terça-feira, 29 de setembro de 2020

A correção fraterna

 


Não é novidade (para alguns, ao menos) que, em geral, todos devemos nos abster de julgar, porque o julgamento pertence a Deus; quando muito, Ele nos empresta essa autoridade, como no caso de pais, padrinhos, professores, diretores espirituais, magistrados e governantes.

No entanto, eventualmente precisamos corrigir, não só pessoas sob nosso comando direto, como nessas situações de autoridade institucional, mas também nossos cônjuges, parentes, amigos, colegas de trabalho e outros. Em suma, todos os que de alguma forma se relacionam com nós, porque Deus os colocou em nosso caminho por algum motivo, e também seremos cobrados por isso. "O Senhor disse a Caim: “Onde está teu irmão Abel?”. Caim respondeu: “Não sei! Sou porventura eu o guarda de meu irmão?” (Gênesis 4, 9-10)

Ao mesmo tempo, diz o adágio popular: "Se conselho fosse bom, não se dava, se vendia". Então algum critério é necessário para corrigir, para dar um conselho, se não bom, pelo menos minimamente acertado. Algumas atitudes interiores fundamentais são as seguintes: pobreza de espírito, temor de Deus, mansidão. Também é necessário discernir bem se a pessoa está preparada para receber o conselho, se deve receber o conselho, e principalmente, se NÓS somos a pessoa indicada para dar o conselho!

Agora, tem o outro lado da moeda: quando nessa posição - incômoda posição - de ter que julgar, corrigir, dar o conselho, enfim, temos que ter coragem e agir. E é sempre um saco, não tem jeito. Eis aí outro ponto de teste: tem que nos DOER pra corrigir, pra dar o conselho. Tem que ser para nós como é para a mãe ou o pai que dizem: "isso dói mais em mim do que em ti". Se não dói, se pelo contrário, nos dá até PRAZER fazer a crítica ou correção...então é mau espírito.

Para isso e para qualquer coisa, aliás, podemos tomar por regra o seguinte: se antes de fazer, nós rezarmos pedindo ajuda a Deus, vai sair o melhor possível. Mesmo que humanamente pareça uma porcaria, e talvez tenha o efeito CONTRÁRIO ao que nós esperávamos, vai sair o melhor POSSÍVEL, ou seja, o que Deus permitiu e as nossas capacidades conseguiram.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O poder de um grande pregador

  Umas das marcas de um grande pregador, escritor, poeta, filósofo, enfim, homem de letras, homem de gênio, é a sua capacidade de infundir n...