terça-feira, 10 de novembro de 2020

A irreversibilidade do Inferno

 Assistindo a um filme sobre Santa Edith Stein, e vendo pela centésima vez o mal que os nazistas fizeram, me veio novamente aquele sentimento de revolta diante da injustiça atroz.

E em seguida imaginei que aqueles homens podem estar no Inferno, sofrendo as penas eternas por todos os seus pecados. Então eu me dei conta de que a vingança tem prazo de validade.
Imagine que o seu pior inimigo, alguém que lhe fez muito mal, fosse para o Inferno. Talvez, por algum tempo, você se sentisse satisfeito, como que vingado por Deus. Mas e depois? Esse sentimento também passa. E o sujeito vai ficar lá, sofrendo, POR TODA A ETERNIDADE.
Eu imagino que depois de um tempo, a satisfação da vingança se transmuta em pena diante dessa realidade terrível, da escolha cristalizada para todo o sempre, sem possibilidade de redenção.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O trunfo do pensamento moderno

O trunfo do pensamento moderno, científico, cartesiano, é ao mesmo tempo, a sua desgraça. Bênção e maldição. Separar tudo em partes dá acess...